Skip to content Skip to footer
Search
br

Loading Results

O futuro do impresso é digital?

A mídia impressa é, sem dúvida, o setor que está sofrendo o maior impacto provocado pela transformação digital. Não porque a procura por informação diminuiu. Pelo contrário. A quantidade de conteúdo online aumentou. E a audiência foi atrás.

Em um momento de plena transformação, não há respostas para um modelo de negócios ideal e definitivo. Grandes editoras de livros, revistas e jornais estão tentando se adaptar ao comportamento do consumidor multiconectado. O desafio é como se manter rentável num universo de fontes alternativas.

Os dados da pesquisa revelam que, no total, o tamanho do segmento impresso está reduzindo. Mas – constatação importante para as empresas do setor – não está ocorrendo uma migração dos gastos para o digital. De fato, o conteúdo de melhor qualidade e a maior confiança do consumidor e do anunciante nas mídias impressas têm mantido os gastos nos modelos tradicionais: no Brasil representaram 97% dos gastos do consumidor em 2016 e, em 2021, serão 95%. As empresas do setor precisam encontrar uma forma de vender conteúdo de qualidade online. Algumas empresas estão implantando sistemas eletrônicos que se somam aos modelos tradicionais, como a adoção do Paywall para jornais, dos clubes de assinaturas online para revistas e o aumento de lojas virtuais para livros.

 

Principais dados da pesquisa para ler no Brasil:

  • Enquanto os gastos com livros impressos vão cair 1% ao ano nos próximos cinco anos, livros digitais crescem 10% no período. Porém, o maior gasto ainda será com o livro impresso: 90% do total do mercado de livro, que deverá ser de US$1,3 bilhão em 2021.
  • O consumo de jornais é o que mostra maior resiliência ante a transformação digital. O mercado de quase US$1,5 bilhão em 2016, deverá reduzir a uma média de 0,3% ao ano até 2021. As assinaturas digitais estão crescendo; porém, não ultrapassarão 5% do total das receitas de consumo deste segmento.
  • Revista é o segmento que apresentará maior queda de consumo: 3% ao ano até 2021, reduzindo de US$602 milhões em 2016 para US$526 milhões em 2021. Comparando com outros segmentos, o brasileiro irá gastar mais com o consumo de música do que com a compra de revistas.
  • O segmento de B2B compreende os gastos do consumidor pessoa jurídica para obter informações de negócio, como empresas que geram dados e pesquisas especializados para setores da economia. Este é o único segmento que apresentará crescimento nos próximos cinco anos, principalmente com a exploração do big data e a utilização de ferramentas de data analytics: 3% ao ano até 2021.
Gastos do consumidor para ler no Brasil 2017 – 2021 (US$ Milhões)

Contatos

Ricardo  Queiroz

Ricardo Queiroz

Sócio e líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações, PwC Brasil

Tel: +55 (11) 3674 2000

Siga-nos